terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

Uma visita sua (II)



Uma visita sua
é um copo de água fresca,
é a água e o copo
e a mão que segura o copo.
Em dias que eu não tiver mais copo
faz as mãos em concha
que te darei água fresca.
Em dias que eu não tiver mais água
faz as mãos em flor
eu saberei conjurar a água.
Uma visita sua
é em si um copo de água fresca.

A tua ausência
é um leito seco de riacho.
Barro duro e rachado,
ossos encrustados no chão.
É as margens ásperas dos meus lábios,
os sulcos vazios, palavras num vão.
Eu rôo a tua ausência
até sobrar só um pitoco.
Eu descasco a tua ausência
Até restar só o caroço.
Faz falta a sua visita
como um rio de água fresca.

3 comentários:

Ricardo disse...

:-)

Lavinia Saad disse...

?!

un dress disse...

belO belO

belUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU

vou levá-lo a viajar:)