domingo, 6 de maio de 2007



O meu amor é insolúvel.
Em copo d’água ele afunda.
Falta, acho, efervescência.
E depois ainda fica esse gosto
meio metálico na boca.
Uma cintilância ardida na língua,
Alfinetadas no paladar.
Como diria o farmacêutico
Nada desprazeroso
Porém tampouco
Muito fácil de se tragar.


2 comentários:

un dress disse...

como diria

:

in medium mediocritas


...


not enough


...

!

?



beijO

Alessandra E. disse...

se for comprimido, às vezes, entala na garganta, um sufoco! (rs)