terça-feira, 15 de maio de 2007



(inacabado - mais que os outros)


Vou até a beira do rio lavar a minha alma:
Sabão de côco e água fria.
Vou esfregar nas pedras polidas
Até esfolar as juntas
E depois estendê-la sobre as pedras
Deixar secar ao sol
Como uma camisola limpa
Como uma bandeira alva
Como uma folha em branco
Como um sudário macio

2 comentários:

Bruno disse...

Ah, você também escreve poemas inacabados? Eu, às vezes paro num verso só, hahaha!

Um belo banho na alma sempre cai bem. E depois eu passo a ferro pra ficar bem alinhadinha.

un dress disse...

:)

bela.macia.alMa.




beijO