sexta-feira, 14 de setembro de 2007

A primeira gravura



Colher a figura
Com docura.
Nem sempre o cobre
Pede violencia. Mas
Quando esta chega,
Ja na primeira gravura,
Ha que saber colhe-la com os olhos,
Doma-la com a mao.
E guardar a faisca
No chao da boca.
Engolir seco, e talhar
A chapa com gana e
Fingida ternura.



1997

2 comentários:

Priscila Lopes disse...

Lavínia, excelentes poemas. Estou adorando descobri-la. Faço questão da tua visita ao meu blog Cinco Espinhos, no qual eu e a colega Aline Gallina nos propomos a fazer críticas literárias em forma de literatura.

Toda semana, também, garimpamos a internet à procura de um BOM texto de um autor "desconhecido".

Apareça. Comente. Participe da enquete:

http://cincoespinhos.blogspot.com

Obrigada!

Alessandra disse...

ourives da palavra, sou tua fâzoca!