sexta-feira, 20 de abril de 2007

Amarrada à poltrona
No ventre da ave de cobre
Eu me faço lastro
De trajetórias alheias.
Eu me deixo lançar pelo espaço
Num arco semi-controlado.
Eu cedo cada gota de controle
Sobre cada átomo do meu ser.
Eu permito que façam de mim projétil,
Eu permito que façam de mim
Carga, arma, míssil seguidouro.
Eu sou aquela pedra
No estilingue que furou o olho de alguém.
Dizem que um deus vê tudo ao redor.
Ora eu vejo
Um deus desenfaixar as mãos calejadas
Segurar o pássaro pela barriga
E comandar: vai, por enquanto vai.

5 comentários:

un dress disse...

ora eu vejo:

um deus que se espreguiça

e vai

confundindo


despreocupadamente


os fios...





bOm.dia.lavinia :)

Alessandra Espínola disse...

esse... quase conto, essa sua narrativa poética nesse teu tom que eu tanto amo... você me deixa suspensa!

Letras de Babel disse...

falta-me tanto o tempo, agora, para tanta coisa que era uso ter...


...mas estou sempre aqui.

Graça Carpes disse...

Ora, eu vejo.
Bjo
:)

Marginal disse...

Fascinante, sobretudo pela imagem extremamente elaborada dos últimos três versos. Parabéns.

Os marginais estão atentos e felizes por ter conhecido este lado da palavra.

www.margemdarte.blogspot.com