sábado, 12 de janeiro de 2008

Aconteceu-me esta vida,
E a ela aconteu: a poesia.

Encaixamo-nos em si,
Matrioskas. Bonecas pintadas
E ocas.

Plenas apenas
Umas nas outras,
Fixando o centro

Um miolo duro.

7 comentários:

~pi disse...

pequeno orifício

respirável

José Rodrigues (JR.) disse...

olá Lavinia,belas poesias.

"Aconteceu-me esta vida,
E a ela aconteu: a poesia."

também escrevo poesias, na verdade, sou um aprendiz de poeta e escritor:

"Não faço poesias
Experimento versos
Busco na rotina normalizante dos dias
As brechas em que escapo
E na incerteza de uma linha nova
Reivindico o meu espaço
Crio uma canção, invento uma história.
Vivo os meus momentos tão indeterminados
Com o gosto bom de vitória
Por não precisar abrir mão dos sonhos
Que tenho sonhado..." (JR.)

faço então um convite: se você puder visite o meu blog de poesias no endereço:

http://experimentandoversos.blogspot.com

um abraço, Jose (JR.)

Tomaz Amorim disse...

hehe, é uma descrição bonita (e sonora... este oco que faz eco.)

é uma espécie de dialética poética, não? as duas são vazias quando sozinhas, mas nunca estão sozinhas porque estão encaixadas. nasceram assim?
de uma maneira ou de outra, a poesia que não existe sem o poeta, e o poeta que sem poesia não existe, é só homem, formam esta coisa dura, este "núcluo inquebrantável de noite".

perdão pelos excessos, só pra dizer que é um poema bonito e expressa bem a coisa.
tenho um amigo que diz que a poesia tem um algo de feminino, a imagem da boneca, oca (afinal, há a vida), representa bem isto. também para a poetisa.

um beijo terno

Duda disse...

muito belo o poema!
as imagens dele são muito boas. eu não arriscaria dizer qual matrioska é a maior: a do poeta ou a da poesia :)
beijos!

Alessandra disse...

Tu és poesia viva, se tu me faltas não sou... nem uma nem outra.

Liliane disse...

um miolo.
talvez um ponto de partida?
ou de chegada?
de ancoragem,talvez.
de retorno,eu torço.

assim continuaremos a te encontrar, e a nos vislumbrar, em teus textos.

um abraço

wolney disse...

"Aconteceu-me esta vida,
E a ela aconteu: a poesia."

Isto me lembrou Cartola!

Wolney